Quando alguém fala que saúde mental é bobagem, outro alguém finge que não está sofrendo.

Dizer que saúde mental é real é algo óbvio e ao mesmo tempo necessário. Um em cada quatro brasileiros está sofrendo de algum tipo de problema dessa natureza. E o tema continua atrelado a tabus ultrapassados, que só pioram o sofrimento de enfrentar esses problemas.

Assista nosso vídeo de lançamento

É por isso que a Amil abraçou essa causa: de um lado, existe a busca por ajuda de milhões de pessoas diminuída pelo preconceito e, do outro, o acolhimento, a informação, a ciência, o cuidado e a cura.

Para quem está precisando, oferecemos a atenção e o pioneirismo do Programa de Saúde Mental da Amil, sempre com o olhar positivo da nossa marca. E para você que quer se informar para ajudar, seja bem-vindo. Estamos aqui para isso também.

Para começo de conversa

Os efeitos da pandemia abalaram a saúde mental de pessoas em todos os países - e as sensações que isso trouxe não são mesmo coisas da sua cabeça, tá bem?

Estudos mostram que emergências de saúde pública afetam o bem-estar de indivíduos causando, por exemplo, insegurança, confusão e isolamento emocional.

Crises mundiais afetam comunidades inteiras por conta do fechamento de locais de trabalho e escolas ou perdas financeiras.

Esses efeitos podem levar a uma série de reações e comportamentos não saudáveis, é importante estar alerta a hábitos que trazem prejuízo

O momento atual com certeza terá eco por muito tempo sobre as pessoas que estão vivendo a pandemia do Coronavírus - então, cuide-se bem

Sensações, sentimentos e os sintomas

Os sinais de que há um problema de saúde mental acontecendo podem variar bastante dependendo do tipo de distúrbio, das circunstâncias, de muitos fatores. Mas sempre vale ficar atento se você sentir algo persistente (por mais de duas semanas) ou notar um amigo ou familiar assim:

Tristeza ou estresse profundos por muitos dias

Capacidade reduzida de concentração

Medos ou preocupações excessivas

Mudanças extremas de humor

Afastamento de amigos e atividades antes prazerosas

Cansaço significativo

Problemas persistentes para dormir

Desapego da realidade (paranoia)

Problemas com álcool ou drogas

Mudanças bruscas nos hábitos alimentares

Mudanças bruscas no desejo sexual

Raiva excessiva, hostilidade ou violência

Os números colocam
luz sobre as sombras

A Organização Mundial da Saúde e diversas universidades renomadas estão há um ano reunindo dados e comprovando que nunca foi tão importante observar as pessoas e sua saúde mental quanto neste momento. Algumas conclusões obtidas nessas pesquisas:

a pandemia aumentou os atendimentos de saúde mental em 93% dos países

houve um aumento de 24% nos relatos de insônia

a incidência de depressão cresceu 16%

para os casos de ansiedade, houve elevação de 15%

No Brasil…

… um trabalho realizado pela Universidade de São Paulo e pela Universidade Federal de São Paulo em parceria com a Universidade Estadual de Ohio (EUA) mostrou que nosso país liderou os índices de ansiedade e de depressão no ano de 2020. Para uma outra pesquisa, realizada pela Faculdade São Leopoldo Mandic, a renda foi um fator decisivo, já que entre as famílias de menor ganho…

75% disseram estar ansiosos

60% mencionaram estar deprimidos

54% relataram problemas no sono

Segundo dados do Programa de Saúde Mental da Amil, a pandemia fez crescer nossas questões de saúde mental

2019

0%

2020

Série Saúde Mental em um novo tempo

Depoimentos reais de pessoas que convivem com casos de ansiedade, burnout e depressão, comentários de especialistas e dados de pesquisas sobre o impacto da pandemia na saúde mental no Brasil e no Mundo. A série mostra a importância de pedir ajuda para lidar com emoções novas ou que já existiam e se tornaram mais evidentes em decorrência do período de quarentena.“

Confira nos episódios abaixo.

Burnout

Estima-se que 33 milhões de trabalhadores brasileiros estejam exaustos - um número alarmante e que pode ficar ainda pior por conta da pandemia. Seja para quem está em home office e viu as fronteiras entre vida profissional e pessoal desaparecem ou para quem trabalha nos serviços essenciais e atua no limite há tantos meses, a Síndrome de Burnout é um alerta de que algo não vai bem com o corpo e a mente.  

Depressão

A depressão é um quadro grave de saúde que, durante a pandemia, se tornou ainda mais sério - já que o isolamento social foi um desafio imenso para tantas pessoas. Mas, acima de qualquer tabu, é preciso entender sobre essa condição, suas características e como ela é diferente de uma tristeza comum. Entender mais sobre a depressão é um passo essencial para lidar com a saúde mental nesse momento. 

Ansiedade

A ansiedade é um sentimento natural e que tem tudo a ver com a sobrevivência humana. Quando estamos em uma situação potencialmente perigosa, é ela que nos põe atentos, prontos para lidar com um problema. Mas, quando essa sensação se torna intensa e constante, é preciso atenção com o sofrimento para a mente e os sintomas físicos que surgem e se instalam, prejudicando muito a rotina.

Esse tal desse
gatilho...

Ela se tornou uma palavra muito usada nas redes sociais - imagine, então, em tempos de crise mundial na saúde.

E o que é afinal?

Na psicologia, gatilhos são situações-chave para o desencadeamento ou o retorno de questões mentais. De uma maneira geral, isso quer dizer que determinados fatos são culminantes para que uma pessoa desenvolva ou volte a ter problemas de ordem emocional.

E como identificar?

Apesar de ter se tornado palavra comum na internet, identificar essa situação que te afeta não é tão simples - especialmente quando pensamos no isolamento social pelo qual passamos e que mudou nossas rotinas. Pode haver, muitas vezes, uma certa sensação de desconforto, mas a pessoa não nota o impacto de forma consciente.

O que pode ajudar a deixar um gatilho mais claro é a auto-observação, é tentar criar uma atitude reflexiva com a sua vida agora.

Comece a prestar atenção, por exemplo, no que você pensou ou notou e que causou uma mudança repentina no seu estado mental ou humor - algo que te trouxe tristeza, angústia ou desesperança. Aí começa a identificação do problema e, felizmente, um processo para tratar disso.

A pandemia é um gatilho por si só para muitas pessoas - lembre-se de considerar como você vem reagindo a ela.

E não há motivo
pra sofrer sozinho, tá?

Todos nós temos particularidades e contradições, somos um mundo todo de situações que precisam de cuidado.

Busque ajuda!

A gente sabe que existem momentos críticos, sim, não é invenção…

… porque eles afetam a saúde da mente em pessoas que estão em momentos de vida mais delicados (seja pelo isolamento, a pressão de uma nova rotina ou o receio pelo futuro). Tenha atenção:

Após os 65 anos

O impacto do tempo, para muitas pessoas, pode ser avassalador - e representar o fim, trazer todas as vulnerabilidades do corpo e da mente. A prevenção é muito necessária para poder desfrutar de bons momentos; e não se pode esquecer que esse grupo, de alto risco na pandemia, requer ainda mais cuidados e observação atualmente.

No ambiente de trabalho

Muitas vezes um espaço de forte pressão para o emocional, o escritório (ou qualquer lugar de trabalho) causa impacto para a saúde da mente por conta das disputas hierárquicas, dificuldades em cumprir tarefas e diversos fatores. Nesse momento, os desafios do home office vieram somar a isso, pedindo moderação e cuidado extra.

Na gravidez e no pós-parto

A depressão é um dos distúrbios mentais mais prevalentes durante esse período, afetando cerca de um quinto das mulheres; importante dizer que, não raro, a depressão começa ainda durante a gestação**.

Na universidade

Ansiedade, depressão e sensação de desamparo são situações recorrentes nos relatos de alunos - sendo que 83% dos estudantes de ensino superior federais já relataram sofrer com a saúde mental*. Tanto aqui quanto para os adolescentes, o ensino à distância vem sendo um fator para cuidar e observar.

A adolescência

É conhecida como uma fase de instabilidade emocional e de salto de crescimento, com mudanças físicas e psicossociais - e ainda a transição e uma nova relação com o mundo adulto.

* Pesquisa Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil, 2019.
** Estudo Bem-estar e Saúde Mental Materna, Mary Steen e Adriana Amorim Francisco, 2019.

Série Transtornos de Personalidade

E quando sua personalidade, que é aquilo que melhor o identifica, é também a raiz dos seus maiores conflitos?

Ep 1. O que é um Transtorno de Personalidade?

Próximo episódio:
Transtorno de Personalidade
Obsessivo Compulsivo

Entender que a saúde física e a saúde mental são equivalentes, andam juntas e que ambas precisam de cuidado é essencial!

O que melhora o atendimento é o contato afetivo de uma pessoa com outra. O que cura é a alegria, o que cura é a falta de preconceito.

Nise da Silveira,
psiquiatra e escritora, 1905-1999

e mais...

Das suas vulnerabilidades

virá a sua força.

Sigmund Freud,
neurologista e psiquiatra, 1856-1939

e ainda...

Não conseguimos mudar coisa alguma sem antes aceitá-la.
A condenação não liberta, oprime.

Carl Jung,
psiquiatra e psicoterapeuta, 1875-1961

Série

O que não dizer nesse momento

É preciso saber falar e ouvir: essas são duas naturezas importantes quando quem a gente quer bem está passando por um problema de saúde mental. Vem, vamos falar e ouvir mais sobre isso.

Para falar de Depressão

Para falar de Ansiedade

Para falar de Burnout

Mas a gente pode ter controle de todos os comportamentos?

Nem sempre, e não o tempo todo. Mas, pra dar aquele apoio para a sua saúde mental, tente pensar e colocar em prática alguns destes 10 pontos:

* Mental Health Foundation UK

Fale sobre seus sentimentos mais abertamente

Mantenha-se ativo com exercícios leves

Coma bem, de forma equilibrada e variada

Beba com sensatez, exageros são prejudiciais

Mantenha contato com pessoas queridas

Peça ajuda quando sentir que precisa

Dê um tempo de atividades que te sobrecarregam

Faça algo em que você seja bom - um hobby ou algo assim

Cuide de mais alguém, a solidariedade é benéfica

Aceite quem você é, porque com certeza está tudo bem com isso

Aqueles que mais ajudam

O psicólogo, o psiquiatra, a equipe médica da Amil e o assistente social - entenda como cada um atua

Psicólogo

Um profissional dedicado a analisar os medos e traumas dos pacientes, ajudando a identificar o mundo sob uma perspectiva diferente. A psicologia entende a pessoa como ela é, em sua singularidade, e usa métodos científicos para apoiar prevenção e tratamento sem fazer uso de medicações - e isso só é possível por meio de conversas aprofundadas com um especialista, entendendo passado e presente para buscar um futuro diferente.

Psiquiatra

Sua função principal é diagnosticar, tratar e prevenir os mais variados distúrbios mentais - indo desde o transtorno de ansiedade até casos de esquizofrenia. Por meio da análise psicológica e cultural, com respeito ao histórico médico do paciente, esse profissional pode prescrever medicamentos que cuidem da sensação de bem-estar psíquico.

Equipe médica da Amil

Por agir em todas as idades, atuando da prevenção até o tratamento de doenças, esses profissionais conseguem identificar possíveis necessidades de saúde mental. Centrados na pessoa, estabelecem uma relação de confiança para que o paciente e sua família possam falar sobre assuntos considerados tabus - da dependência química ao suicídio, por exemplo. É a nossa “porta de entrada” para um diagnóstico precoce.

Assistente Social

Este é um profissional estratégico na articulação e monitoramento dos pacientes, ampliando o olhar da equipe para uma abordagem psicossocial que considera o contexto de vida de todo paciente em acompanhamento. O Assistente Social é um agente importante no cuidado às vulnerabilidades diárias dos indivíduos que atravessam o acompanhamento em saúde mental.

O Programa de Saúde Mental da Amil funciona assim

A Amil já contava com um programa estabelecido de cuidados relacionados à saúde mental de seus clientes. Neste ano, o sistema foi aprimorado, passando a atender mais pessoas e oferecendo apoio em um período tão conturbado quanto a pandemia.

Hoje, ele funciona assim:

Ao sentir que pode estar passando por questões de saúde mental, o melhor é agendar uma consulta com uma Equipe médica da Amil - elas atuam principalmente nos Amil Espaço Saúde.

Com esses profissionais, haverá uma avaliação e um possível encaminhamento a uma equipe de referência (um atendimento com psiquiatra, psicólogo ou um assistente social - quem estiver mais adequado a cada caso).

Outra possibilidade de atendimento é pela Telemedicina de Urgência - ela funciona pelo App Amil Clientes e está disponível para todos os beneficiários. Para ter acesso, basta acessar o aplicativo, selecionar a opção Telemedicina e escolher a opção Pronto Atendimento.

Lá, um enfermeiro faz a triagem do caso e, quando necessário, encaminha para a consulta com o psicólogo. Esse profissional está disponível, via Telemedicina, todos os dias das 7h às 22h, realizando o acolhimento dos pacientes e, dependendo da gravidade, podendo direcionar para o atendimento presencial.

Além disso, no Programa de Saúde Mental Amil, pessoas com transtornos mentais severos são acompanhadas pela equipe de coordenação do cuidado nas unidades Amil Espaço Saúde. Assim, em conjunto com profissionais da especialidade, é feito um plano terapêutico personalizado - com o objetivo de garantir um tratamento efetivo, apropriado e correto, com atenção às necessidades e ao bem-estar geral.

A Amil está com você todo o tempo, no seu tempo

A saúde mental é tão importante quanto a saúde física. Por isso, a Amil possui uma extensa rede credenciada que também contempla psicólogos e psiquiatras qualificados para garantir a saúde do paciente.

Baixe o aplicativo Amil Clientes e confira as
opções disponíveis na sua região.

A Amil tem o plano certo para você viver o seu melhor.

Faça seu orçamento sem compromisso

Plantão de vendas:

Capitais e regiões metropolitanas:

3004.4740

Demais localidades:

0800.208.1040 Atendimento a pessoas com deficiência auditiva ou surdas